Se os Alunos Aprendem a Aprender, O Que o Professor Vai Ensinar?

Se você pensar no que o/a levou a se tornar professor(a), provavelmente irá pensar em uma necessidade de infundir nos alunos valores e paixão pelo conhecimento. Juntamente com essa paixão que você tem pela sua área de especialização ( se for o caso), vem junto todo o conhecimento que você possui e acumulou durante anos. Para você, esse corpo de conhecimento é que te ajuda a fazer inferências e entender novas informações. Mas aqui está o desafio que todos enfrentamos hoje como educadores quando ouvimos sobre a redução do conteúdo curricular, focando mais em ensinar o “aprender a aprender”: como é podemos cortar conteúdo sem reduzir a capacidade de fazer inferências e dar sentido a novas informações? Trabalhando com professores, eu ouço constantemente comentários sobre essa luta e realmente simpatizo com ela. Mas há uma resposta para isso, mesmo que seja difícil cortar conteúdo. O primeiro passo talvez seja compreender plenamente a necessidade crucial de ensinar os alunos a “aprenderem como aprender”, já estamos preparando estes alunos para o futuro, em um mundo cada vez mais complexo.

Nós podemos ouvir falar sobre a era da informação em que estamos vivemos, mas na verdade precisamos sentir o impacto desta realidade em nossos ossos. Se você já viu o vídeo viral “Você Sabia?” (Did You Know? Atualizado em 2017), é sempre bom assistir outra vez, para que a “ficha caia” mais fundo. Se ainda não viu, então você pode começar a pensar sobre o seguinte:

… Os 10 principais empregos sob demanda em 2010 não existiam em 2004.

…. Estamos preparando os alunos para resolver problemas que nem sequer sabemos ainda que são problemas.
…. O conteúdo de uma semana do New York Times contém mais informações do que uma pessoa provavelmente encontraria em toda uma vida durante o século 18.
– Você sabia? 2017

No mundo de hoje, onde a mudança é exponencial, temos que parar para considerar como podemos melhor servir os alunos para serem bem-sucedidos e felizes no futuro. No mundo de hoje, onde cada vez mais reconhecemos e celebramos a diferença, temos que parar para considerar como podemos atender às necessidades individuais, permitindo que a paixão e o potencial dos alunos floresça. Portanto, a transmissão do conhecimento tem de dar lugar, de alguma forma, ao compartilhamento do nosso processo para adquirir esse conhecimento – felizmente, essa é a nossa paixão!

O reconhecimento das necessidades geradas pelo mundo de hoje felizmente resultou em pesquisas que agora nos dão uma base de conhecimento mais sólida sobre a educação e uma estrutura que nos ajuda a enfrentar os desafios futuros. O trabalho bem conhecido de David Conley, por exemplo, resultou no “As Quatro Chaves da Prontidão para a Universidade e a Carreira” ( Four Keys to College and Career Readiness, que pode ser resumido abaixo:


“Os alunos precisam fazer mais do que reter ou aplicar informações …”
“Eles precisam entender que o sucesso na aprendizagem de conteúdo é uma função do esforço …”
“Os alunos precisam de habilidades e técnicas para se apropriar e gerenciar sua aprendizagem com sucesso …”
“Estudantes … devem saber navegar inúmeras potenciais armadilhas …”

Portanto, os alunos precisam ser capazes de manipular conteúdo de muitas maneiras diferentes, passar pela dificuldade de lidar com quantidades maciças de informação, gerenciar seu processo de aprendizagem e enfrentar armadilhas ao aprender e trabalhar com outras pessoas. Isso é aprender a aprender. Então, o que você pode fazer como professor(a) para ensinar essas habilidades e ao mesmo tempo selecionar  conteúdo já que o conhecimento em sua área provavelmente continua crescendo?

 

A chave para a questão acima é ensinar o “processo” para adquirir conhecimento em sua área. Isso é algo sobre o qual nunca nos preocupamos. Mas os alunos precisam ouvir você demonstrar as dificuldades de aprender em sua área, eles precisam passar pelas próprias lutas, obter feedback, aprender com os outros e dar sentido à crescente quantidade de informações disponíveis para todos. Esta é certamente uma maneira de compartilhar sua paixão pelo assunto, compartilhando o processo de se apaixonar por isso. Nunca pensamos nesse tipo de compartilhamento ou ensino, mas é uma estratégia poderosa.

Paul T. Corrigan em uma postagem de blog compartilhada abaixo, explica muito claramente a diferença entre ensinar conteúdo e ensinar os alunos a aprenderem como aprender esse conteúdo. Agora é a sua vez!

“Em vez de dizer aos seus alunos: 

Bem-vindo à aula de Economia 101, onde você aprenderá sobre macroeconomia, microeconomia e finanças pessoais.

Podemos dizer algo nesse sentido:

Bem-vindo à aula de Economia 101, onde você irá aprender a aprender sobre economia. Começaremos com vários tópicos de economia que eu selecionei com antecedência (macroeconomia, microeconomia e finanças pessoais), não só para que você conheça esses tópicos específicos, mas para que você tenha a oportunidade de praticar como é aprender sobre economia e refletir sobre esse processo – tudo para que você possa aprender a aprender sobre tópicos de economia ainda a serem determinados, que você considerará importante no futuro “

Paul T. Corrigan, “Preparando Estudantes Para o Que Não Podemos Prepará-los” (Preparing Students for What We Can’t Prepare Them For)

This is a crosspost from amplifieducation.com

Leave a Reply